Blockchain aplicado na indústria farmacêutica norte ameriacana

A indústria farmacêutica nos EUA está sob pressão de órgãos regulamentadores para rastrear com precisão os medicamentos que fabrica e envia para as prateleiras. Esses regulamentos também incluem o rastreamento de medicamentos devolvidos pelas lojas e instalações de saúde.

Até 2023, a lei DQSA exigirá da indústria farmacêutica um sistema interoperável eletrônico que possa transmitir números de série entre parceiros comerciais. Além de garantir que todos as receitas sejam devolvidas aos distribuidores tenham identificadores únicos validados pelos vendedores e associados a apenas um medicamento.

Atualmente, o setor utiliza uma solução mista integrando bancos de dados centralizado com base no padrão EDI (Electronic Data Interchange) com conexões ponto a ponto (peer-to-peer) entre fabricante e distribuidor; esse sistema é caro e torna quase impossível a interoperabilidade em larga escala. A abordagem utilizando banco de dados centralizado também traz críticas sobre a segurança o que ocasiona uma falta de confiança entre os sistemas isolados.

Blockchain elimina a necessidade de atacadistas individuais gerenciarem grandes volumes de listas de produtos e endereços de fabricantes, em conformidade com os regulamentos do DQSA, reduzindo erros e proporcionando economia para toda a cadeia de suprimentos.

O vice presidente de pesquisa da Gartner, Avivah Litan, afirma que Blockchain é uma tecnologia apropriada para a indústria, porque várias entidades precisam compartilhar uma única versão da verdade em uma base de dados imutável, onde nenhuma entidade está no controle.

Como resultado, a Healthcare Distribution Alliance (HDA), dois anos atrás, começou a desenvolver o MediLedger Project, uma rede baseada em blockchain criada para atender às demandas de rastreamento e regulamentos da DGSA. A rede combina um “Diretório de Consulta” acessado por meio de um banco de dados distribuído (DLT) com uma rede de mensagens privada que permite às empresas solicitar e responder com segurança às solicitações de verificação do identificador do produto.

Toda transferência de um medicamento na blockchain MediLedger é verificada de maneira segura tendo autenticidade e procedência antes da transferência, o que elimina a necessidade de realizar a verificação. todos os itens da cadeia de suprimentos têm procedência adequada ou não avançam.

Atualmente, existem 15 nós na blockchain MediLedger. Juntamente com os fabricantes de medicamentos, atacadistas e transportadores, os provedores de serviços também podem executar nós e obter receita vendendo esses serviços

A AmerisourceBergen  gerencia mais de 50.000 produtos farmacêuticos e envia mais de 3 milhões de SKUs diariamente de centros de distribuição que representam mais de 130.000 entregas para farmácias e instalações de saúde. Ela está atualmente em “fase de adaptação” do blockchain MediLedger, caracterizando um passo além de uma prova de conceito, mas ainda não chegou a fazer testes com usuários em produção.

 

Por Bruno Medeiros

Pesquisador Industrial do ISI-TICs

https://www.linkedin.com/in/hugolnalmeida/

Deixe uma resposta