Educação e a Indústria 4.0

A Indústria 4.0 tem trazido consigo avanços tecnológicos que vêm possibilitando grandes e importantes mudanças no setor industrial. Diante dessa nova realidade, questionamentos sobre o impacto na educação têm sido levantados e estudiosos afirmam que se faz necessária uma revolução similar no setor educacional para aproveitar tudo o que a quarta revolução industrial tem proporcionado.

Nesse sentido, o modo como a instituição de ensino pode se adaptar à essas novas demandas tem favorecido o surgimento de novas abordagens e discussões sobre o tema. Metodologias educacionais como o STEAM (do inglês Science, Technology, Engineering, Arts and Mathematics) têm sido introduzidas a partir da educação infantil a fim de proporcionar o desenvolvimento cognitivo da criança para que ela possa, no futuro, ser um profissional capaz de obter e aplicar diferentes conhecimentos nos mais variados contextos.

Empresas e startups têm investido para fornecer conteúdos inovadores com abordagens do STEAM, nas mais diversas formas, a fim de promover melhoria no desempenho dos pequenos nessas competências. No âmbito do ensino superior, um projeto de iniciativa europeia denominado Universidades do Futuro (do inglês Universities of the Future, UoF) aborda as necessidades educativas da Indústria 4.0 na Europa, proporcionando a criação de ofertas educacionais com parcerias entre as universidades, as indústrias e os órgãos públicos.

De modo geral, observa-se uma crescente preocupação por parte das instituições educacionais em formar profissionais capazes de enxergar não só as novas tecnologias, mas também as implicações para o uso delas pela sociedade. Essas características definem os chamados knowledge workers, ou trabalhadores do conhecimento, cuja aptidão é a que se espera de um profissional da Indústria 4.0.

 

Por Bruna Alves
Pesquisadora industrial
linkedin.com/in/bruna-alves-580b76181

Deixe uma resposta