Agricultura de Precisão: Plantações conectadas

FONTE DA IMAGEM: Portal Biossistemas Brasil

 

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) destaca a importância da agricultura para o mundo, considerando-a como uma das bases essenciais para a civilização (BRUINSMA, 2017). O setor agrícola tem grande importância para a economia e sociedade brasileira, sendo este responsável por grande parte do Produto Interno Bruto (PIB) nacional, colocando o Brasil entre os maiores produtores do mundo neste setor (COSTA, 2013). Porém, mesmo com este papel fundamental para a economia, as agroindústrias ainda sofrem quanto ao monitoramento, otimização e sustentabilidade de suas áreas cultivadas e processos.

Cientes das falhas existentes, produtores, pesquisadores e empreendedores veem buscando métodos e modelos alternativos para enriquecimento das terras, produção de alimentos saudáveis e métodos para a otimização das safras que conciliem o aumento na produção com a diminuição de impactos ao meio ambiente (DIAKOSAVVAS, 2012). Esse é um importante desafio de pesquisa a ser atacado e diferentes áreas do conhecimento estão trabalhando em conjunto para propor possíveis soluções.

A publicação de 2018 da revista The Future of Work retrata a importância da agroindústria para o cenário mundial e destaca que a confluência e o rápido desenvolvimento de uma ampla gama de novas tecnologias, como a Inteligência Artificial (IA), Robótica, Impressão 3D e a Internet das Coisas (IoT) vem alavancando no mundo a quarta Revolução Industrial, possibilitando importantes ganhos de eficiência dentro das agroindústrias e melhor qualidade de vida para os trabalhadores (BANK, 2018). O emprego dessas técnicas nas plantações possibilita a coleta e análise de uma ampla massa de dados relativa às safras, essa pode conter informações relevantes para a tomada de decisões estratégicas e otimização do cultivo.

 

FONTE DA IMAGEM : Jacto

 

O emprego dessas tecnologias no campo é o que caracteriza a Agricultura de Precisão, normalmente associada à utilização de equipamentos de alta tecnologia (sejam hardwares, no sentido genérico do termo, ou softwares) para avaliar, ou monitorar, as condições em uma determinada parcela de terreno, aplicando depois os diversos fatores de produção (sementes, fertilizantes, fitofármacos, reguladores de crescimento, água, dentre outros) (COELHO, 2004).

A agricultura de precisão envolve a medida dos fatores de produção, tendo em conta a variação espacial e temporal do potencial produtivo do meio e das necessidades específicas das culturas (RODRIGUES, 2017). Com este propósito, é popularmente dividido em dois grandes tipos de sistemas de monitoramento:

  • Ambiental: Caracteriza a evolução de vários parâmetros do meio e das próprias plantas ao longo do tempo e no decurso da cultura (pH, umidade, temperatura, luminosidade, ventos, dentre outros);
  • Produtividade: Estima a variação espacial (no interior de uma parcela de cultura) da produção alcançada pela cultura (safras, áreas, talhões, dentre outros).

Inovações nos campos da tecnologia da informação e da comunicação indicam que a agricultura de precisão avançará para se tornar uma prática comum nas plantações do futuro, tornando-as cada vez mais conectadas. Isso já é o caso de algumas usinas sucroenergéticas que utilizam sensores no monitoramento de suas plantações para otimizar processos de irrigação, assim possibilitando um monitoramento remoto desta, gerando ganhos efetivos em suas safras.

Esta mudança na forma de fazer agricultura está transformando até mesmo os pequenos produtores rurais, que estão se tornando empresários rurais, por controlar/monitorar as suas plantações e produções com maior facilidade e menos custos. Soluções open source também veem sendo desenvolvidas e compartilhadas possibilitando que até com imagens do Google Maps possa se extrair informações relevantes de áreas plantadas.

Nota-se que a indústria 4.0 e a agricultura de precisão estão fortemente focadas na melhoria contínua em termos de eficiência, segurança, qualidade e produtividade das produções. Porém, o grande desafio está na proposta de soluções sustentáveis e eficientes para a coleta de todos os dados considerados relevantes, algoritmos para processá-los, transformando-os em informações pertinentes. Esta atividade requer sistemas muitas vezes complexos e a união de pesquisas em diferentes áreas do conhecimento.

A indústria 4.0 e a agricultura de precisão são fenômenos reais e atuais da inovação tecnológica no mundo. O Instituto Senai de Inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação (ISI-TICs), através de sua rede interdisciplinar de institutos, esta preparado para ajudar as agroindústrias e indústrias brasileiras a alcançarem esse patamar de inovação com a utilização de Inteligência Artificial, Blockchain, Internet das Coisas, dentre outras tecnologias.

 

Por Geraldo Gomes
Desenvolvedor de Inovação e Tecnologia do ISI-TICs
https://www.linkedin.com/in/geraldogomes/

 

  1. BRUINSMA, J. World agriculture: towards 2015/2030: an FAO study. [S.l.]: Routledge, 2017
  2. COSTA, C. C. d.; GUILHOTO, J. J. M.; IMORI, D. Importância dos setores agroindustriais na geração de renda e emprego para a economia brasileira. Revista de Economia e Sociologia Rural, SciELO Brasil, v. 51, n. 4, p. 787–814, 2013.
  3. DIAKOSAVVAS, D. Policy Instruments to Support Green Growth in Agriculture–Main Report. [S.l.]: OECD, Trade and Agriculture Directorate, 2012
  4. BANK, A. D. et al. The future of work: regional perspectives. 2018.
  5. COELHO, J. C. et al. Agricultura de precisão. Lisboa, 2004.
  6. RODRIGUES, R. B. R. L. Uso de aditivos na qualidade bromatólogica da silagem de cana-de-açúcar. [S.l.]: FAFRAM, 2017.

Deixe uma resposta