Adoção de metodologias ágeis impulsiona projetos de IoT

Internet das coisas não é uma solução pronta, pode ser adaptada conforme a demanda. É com essa máxima que podemos entender qual a relação de impacto que metodologias ágeis podem trazer para projetos de IoT.

A princípio, metodologias ágeis são um compilado de técnicas alternativas de gestão de projetos, que vem transformando várias áreas, é bem recente e está revolucionando a forma como projetos são conduzidos no meio industrial.

Inicialmente, as metodologias ágeis surgiram de um encontro que consequentemente deixou um registro intitulado Manifesto Ágil. A ideia foi formalizar os fundamentos destas práticas que eram totalmente voltadas para projetos de software. Hoje, métodos ágeis são utilizados em qualquer área, pois há uma série de estudos e casos de sucesso comprovando ganhos significativos de produtividade, velocidade de entregas e satisfação dos clientes em projetos de maneira geral.

 

Fonte: http://cerev.info/addzthis-metodologia-agil.htm

 

Segundo um estudo da McKinsey Global Institute, IoT terá um mercado de 11 trilhões de dólares em cerca de 10 anos, o equivalente a 11% da economia mundial. Os números expõem claramente o potencial da internet da coisas na sociedade e nos negócios, mas muitas empresas não encontraram o modelo ideal para potencializar seus ganhos.

Como apontado no início do texto, desde a concepção de projetos de IoT até a sua implementação, a demanda tende a mudar, tende a ser aperfeiçoada, corrigida, forçada a se ambientar conforme a concorrência. Diversificação de mercados, especificidades de aplicativos, sensores e demais componentes, aumento da quantidade de dispositivos, conectados e consequentemente aumento do consumo e transferência de dados e possíveis ataques cibernéticos são desafios da indústria que se dispõe a desenvolver soluções em IoT. As metodologias ágeis podem responder a essas demandas.

 

Fonte: https://www.mackenzie.br/cursos-curta-duracao/universidade/estrategia-e-inovacao/metodologias-ageis/

 

As respostas levam tempo, mas até mesmo o processo que acontece desde a adoção de um método ágil até o resultado positivo tende a trazer benefícios por meio de reflexões e feedbacks (prática ágil muito comum) durante a empreitada. A seleção correta e priorização das funcionalidades e casos de uso do projeto levam a uma interoperabilidade a longo prazo, provendo uma solução mais completa e assertiva.

O caminho é longo, mas quanto mais rápido as falhas forem identificadas nas fases iniciais do projeto, mais rápido virão os benefícios do negócio e o que está no papel se tornará uma solução viável com a manutenção da interoperabilidade.

Deixe uma resposta