Blockchain na segurança cibernética

À medida que o mundo físico se encontra com o mundo digital, um indivíduo se torna um ator fundamental para as empresas. No entanto, garantir que os dados permaneçam seguros, protegidos, privados e autênticos se tornou um desafio permanente.
A autenticação também é uma grande preocupação atualmente. Imagine a dor de cabeça quando alguém usa seu cartão de crédito para fazer compras pesadas, mas não é você que está comprando, e isso cria uma grande confusão para convencer as empresas de cartão de crédito sobre a fraude. Esses são os principais pontos estão preocupado os profissionais de segurança cibernética.

Por exemplo, a recente violação de segurança cibernética da Equifax, ocorrida em setembro de 2017, comprometeu informações confidenciais de quase metade da população dos EUA. Os cibercriminosos acessaram aproximadamente 145,5 milhões de dados pessoais dos consumidores dos Estados Unidos. A Equifax também confirmou que pelo menos 209.000 credenciais de cartão de crédito dos consumidores foram tomadas no ataque.

Além disso, um dos maiores desafios que uma empresa enfrenta hoje em termos de segurança cibernética é a “falsificação de dados”, que é a ameaça de que os dados sejam alterados de maneiras autorizadas, acidentalmente ou intencionalmente.

A tecnologia Blockchain pode ser usada para que os dados possam ser assinados com uma “assinatura digital”. Essa assinatura digital, chamada hash, pode então ser armazenada em um ledger blockchain público ou privado, que é altamente imutável, tornando possível verificar se os dados foram modificados a algum momento.

A definição padrão descreve blockchain como uma tecnologia de registo digital compartilhada, descentralizada, criptograficamente segura e imutável. A grosso modo, blockchain permite que um grupo de estranhos concordem sobre informações de algo e prossigam suas operações com base nesse vínculo de confiança, ele também é conhecido por manter uma lista crescente (também conhecida como cadeia) de registros de transações de dados.

Por exemplo, para garantir que os dados não sejam adulterados, a Acronis (empresa especializada em proteção dos dados) aplica a tecnologia blockchain para calcular um hash criptográfico, ou “impressão digital”, que é exclusivo para cada arquivo de dados que ele armazena. Esse hash é um algoritmo que produz a mesma saída quando recebe exatamente o mesmo arquivo de entrada, o que é útil para verificar a autenticidade do arquivo. Qualquer alteração no arquivo de entrada, ainda que leve, resulta em uma impressão digital drasticamente diferente. Como o algoritmo de hash foi projetado para funcionar somente em uma direção, é impossível determinar as entradas de arquivo originais apenas da saída, tornando o processo inviolável.

Devido à modelagem em “cadeia” a tecnologia proporciona uma abordagem diferente em relação à rastreabilidade. Não há dúvida de que as dados são acessíveis para todas as máquinas que estão executando o blockchain em questão, mas todas as modificações são rastreáveis. Independentemente do seu gigantesco sistema em rede, com a tecnologia blockchain, é possível rastrear qualquer
modificação por qualquer período de tempo.

Em geral, a tecnologia blockchain hoje se concentra principalmente em criptomoedas e fintech. No entanto, o mundo precisa enxergar além disso para ver como as empresas e os indivíduos podem tirar proveito dessa tecnologia. Quando for descoberto como as pequenas empresas podem aplicar a tecnologia blockchain em uma infinidade de aplicativos é o dia em que realmente florescerá revolução tecnológica.

Deixe uma resposta