Padarias ganham qualidade e maior produtividade com a automação realizada pelo Instituto SENAI de Inovação para Tecnologias da Informação e Comunicação

No Brasil, as padarias oferecem seleção variada de produtos, do pão a produtos industrializados, se diferenciando do formato tradicional das antigas padarias. Essa revolução na panificação nacional ocorreu para atender às mudanças de consumo, aprimorando a gestão e oferecendo novos produtos aos clientes. Como continuidade ao processo de renovação da indústria da panificação, o Instituto SENAI de Inovação para Tecnologias da Informação e Comunicação (ISI-TICs) desenvolveu em parceria com a IKEWAI, business design and development network do porto digital em Recife, uma série de tecnologias para automatizar diferentes etapas dentro do processo produtivo do pão nosso de cada dia.

Durante a convenção da Associação Brasileira da Indústria de Panificação e Confeitaria (ABIP), realizada no dia 1º de junho em Recife, quarta capital em consumo de pães em padarias no país, representantes de panificadoras e confeitarias do Brasil inteiro tiveram a oportunidade de conhecer os projetos desenvolvidos pelo ISI-TICs. O pesquisador do Instituto do SENAI, Ernani Azevedo, apresentou processos relacionados ao acompanhamento e à automação da linha de produção para empresas de qualquer porte, ilustrando com três exemplos a aplicação numa padaria-piloto. O pesquisador trouxe também a visão de Indústria 4.0 aos presentes “é importante de desmistificar o uso de conceitos de Manufatura Avançada também em plantas de micro e pequenas empresas”.

Em pesquisa realizada pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Bahia (SEBRAE-BA) sobre o panorama brasileiro da indústria da panificação, constatou-se o constante crescimento constante do setor que em 2015 registrou um crescimento de 2,7%. A panificação está entre os seis maiores segmentos da indústria do Brasil. Reflexo dos hábitos do brasileiro que consome 22,61 kg de pães por ano. O que destaca a importância de boas práticas entre elas a implementação da metodologia 5S para medir e promover o ganho de eficiência da produção, eliminando desperdícios de tempo e recursos, como destacou a consultora do SENAI, Priscila Gomes, também participante da convenção ABIP. Metodologias que aos poucos passam a contar com o suporte de sistemas computadorizados e processos automatizados.

 

 

 

Deixe uma resposta