Fog computing é tendência para Internet das Coisas

Foto: AOT Technologies

A computação em neblina, ou em inglês Fog computing, pode ser definida com uma alocação do processamento de dados em camada mais baixas da rede. Assim, é vista como uma parte da arquitetura onde dados, cálculos, comunicações, armazenamentos, aplicações e gerenciamentos são distribuídos em local mais eficiente: entre a fonte de dados e a nuvem.

Fog computing possui a finalidade de aumentar a capacidade do sistema cyber-physical e o armazenamento em nuvem em toda a rede. E por isso é uma camada intermediária entre a nuvem e o hardware, permitindo o processamento, análise e armazenamento de dados de forma mais ágil. Um dos maiores desafio em aplicações de IoT é o backhaul, as ligações entre dispositivos (gateways) e os data centres que analisam e geram as informações.

Como exemplo na área industrial, um motor de grande porte, como uma turbina, pode produzir 10TB dados sobre seu desempenho em apenas 30 minutos. Podendo se tornar assim um desperdício de largura de banda e esforço computacional para enviar todos os dados capturados.

Assim, um equipamento que está sendo monitorado pode passar por um processamento por um concentrador próximo e em etapa seguinte, um relatório com tempo maior de observação ser enviado para a nuvem a fim de informar que está tudo funcionando corretamente. Tornando assim, a camada de fog computing essencial para otimização no processo de análise de dados.

Deixe uma resposta